Alimentos inflamatórios: saiba quais podem piorar as inflamações do corpo

A lista é grande, mas veja cinco tipos de alimentos que pode começar a reduzir o consumo agora mesmo

Como os alimentos inflamatórios causam inflamação?

Crédito: Freepik

Quando se fala em alimentos inflamatórios, não quer dizer que você vai comê-los e imediatamente ter uma inflamação no seu corpo.

Quer dizer que são alimentos que prejudicam o bom funcionamento do seu organismo de diferentes formas, afetando a imunidade, prejudicando a qualidade do sangue e promovendo um desequilíbrio de modo geral.

Assim, com o tempo de consumo excessivo desses alimentos, o corpo vai iniciando processos inflamatórios que podem surgir na forma de diferentes doenças, mais ou menos graves.

Algumas dessas doenças começam dando sinais mais discretos, como quando você fica doente da mesma coisa várias vezes no mesmo ano, seja uma infecção de ouvido, de bexiga, herpes, candidíase, gripe e resfriado, dores nas juntas, entre outras.

 

1. Açúcar

O açúcar está presente em diversos tipos de alimentos, até mesmo nos salgados, como as massas e os alimentos industrializados (molhos, cremes, sucos, refrigerantes, congelados).

Pode ser difícil deixar de comer todos os alimentos que contêm açúcar, mas o que você pode fazer é evitar os alimentos muito açucarados e que levam açúcar refinado, de má qualidade, como chocolates, balas, chicletes, bolos, pães e bolachas feitos de farinha branca, fast foods, pizzas e lasanhas congeladas, frituras congeladas e tantos outros.

O malefício do açúcar no sentido da inflamação é que ele aumenta as citocinas pró-inflamatórias no organismo (proteínas secretadas por células e que afetam o comportamento de outras células vizinhas), reduz a produção de glóbulos brancos e enfraquece o sistema imunológico.

2. Gorduras

É fato que existem gorduras saudáveis necessárias para a manutenção da saúde. Mas, nem todas elas são assim, e tudo depende da quantidade que se come.

As gorduras de ômega-3, por exemplo, são boas e anti-inflamatórias. Mas, as gorduras de ômega-6, quando consumidas em excesso, se tornam inflamatórias. Não deve eliminá-las da alimentação, mas é preciso consumi-las na proporção equilibrada, em partes iguais de ômega-3 e 6.

Os alimentos que contêm mais ômega-6 e precisam ser consumidos com moderação são os óleos vegetais, gorduras saturadas e gorduras trans. Essas gorduras estão presentes nas peles das carnes, gordura da carne, margarina, doces cremosos industrializados (creme de avelã, recheios), alimentos congelados variados.

3. Farinhas refinadas/brancas

Quando os nutricionistas recomendam o consumo de farinhas integrais não é só porque elas contêm mais fibras e ajudam na manutenção do peso. É também porque essas farinhas são menos processadas do que as brancas, e assim contêm mais nutrientes.

As farinhas brancas contêm mais açúcar e menos nutrientes, por isso elas entraram lá em cima na lista dos açúcares a serem evitados. Elas provocam picos de insulina no sangue, prejudicando o bom funcionamento do organismo e estimulando processos inflamatórios.

As farinhas refinadas/brancas, também chamadas de carboidratos de alto índice glicêmico, são o açúcar refinado, trigo refinado e todos os seus derivados.

4. Adoçantes artificiais

Se você ainda pensa que consumir adoçante artificial é mais saudável do que consumir açúcar refinado, acabe de vez com essa enganação.

Alguns adoçantes artificiais desequilibram a microbiota intestinal, levando a processos inflamatórios.

Na hora de buscar um substituto para o açúcar, dê preferência para a stevia e o xilitol, que até o momento são os adoçantes mais seguros.

5. Carnes processadas

As carnes processadas são um aglomerado de gorduras ômega-6, conservantes, corantes, açúcar e outros aditivos industrializados que desequilibram o organismo e favorecem os processos inflamatórios. Evite os hambúrgueres industrializados, salsichas, nuggets de frango ou mesmo de peixe, que são feitos de uma massa ao invés de carne pura.

Comments

comments

Seja o primeiro a comentar

Deixar uma resposta